Curso orienta sobre mediação de conflitos e práticas restaurativas no contexto laboral

31/01/2024 15h47 - Atualizado em 31/01/24 15h48

Mediação de Conflitos e Práticas Restaurativas no Contexto Laboral foi o tema de um curso ofertado pelo Tribunal de Justiça Militar do Estado de Minas Gerais (TJMMG) a magistrados e servidores no período de 22 a 26 deste mês. Realizado pela Escola Judicial Militar (EJM), o curso foi ministrado pelas psicólogas Terezinha de Oliveira Lima Rocha e Júnia Penido Monteiro, com o objetivo de aplicar ferramentas de prevenção e resolução de conflitos no ambiente de trabalho.

Durante o curso foram abordadas análises sobre cultura de paz e métodos de solução de conflitos, gestão de relações no contexto laboral, aspectos da comunicação assertiva e Comunicação Não Violenta, negociação integrativa, Justiça e práticas restaurativas, entre outros temas. Também foram analisados o perfil do facilitador, princípios éticos, etapas e técnicas da mediação de conflitos, e compreendida como se aplica a mediação na prática.

O curso foi voltado prioritariamente a gestores e membros da Comissão de Prevenção e Enfrentamento do Assédio Moral e do Assédio Sexual do TJMMG. Também contou com a participação de servidores de diversas áreas e do juiz João Libério da Cunha, titular da 2ª e da 5ª Auditorias da Justiça Militar.

Uma das atividades desenvolvidas utilizou o chamado Círculo do Fortalecimento de Vínculos, metodologia que busca estabelecer a conexão entre os envolvidos, com possibilidade de trocas mais profundas. “Essa é uma metodologia aplicável em vários contextos, entre eles para tratar preventivamente dos conflitos do ambiente de trabalho”, explicou Júnia Penido Monteiro.

A psicóloga disse que o Círculo do Fortalecimento de Vínculos é composto por rituais ou cerimônias, feito em um ambiente de total confidencialidade do que é conversado, e é utilizado um objeto de fala que estimula o momento de cada um “abrir o coração”, seguindo um roteiro. “Além da questão da troca livre entre as pessoas, há um direcionamento a partir de perguntas que precisam ser respondidas”, detalha.

Facilitadoras – Pós-graduada em Violência Doméstica pela Universidade de São Paulo (USP), Terezinha de Oliveira Lima Rocha é mediadora de conflitos titulada pelo Instituto de Mediação e Arbitragem do Brasil (Imab) e instrutora em Conciliação e Mediação Judicial (CNJ). Ela também já atuou como Psicóloga Judicial e Mediadora Judicial no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Júnia Penido Monteiro é técnica judiciária no TJMG, lotada no Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), ainda atua como mediadora, instrutora e formadora de instrutores em Conciliação e Mediação Judicial (CNJ). Ela é pós-graduada em Psicologia do Trabalho pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Gestão de Negócios em Organizações Públicas pela Fundação Dom Cabral (FDC) e Mediação de Conflitos e Arbitragem, pela Faculdade Unyleya.

Texto: Esperança Barros
Ascom/TJMMG